Projeto de Acordo Multilateral Latino-Americano sobre Segurança Social.

Publicado por: Secretaria Geral da OISS
D. Adolfo Jiménez, Secretário Geral da OISS, define as linhas gerais do Projeto de Acordo Multilateral Ibero-Americano de Seguridade Social, cujo texto é submetido à consideração na XVII Cúpula Ibero-Americana.

A minuta do Acordo Multilateral Ibero-americano de Seguridade Social, cujo texto é submetido à consideração da Cúpula de Santiago, despertou importantes expectativas, tanto nas diferentes instâncias dos diferentes países, quanto nos próprios cidadãos que, em última instância, serão seus beneficiários finais. . A importância da proteção integral dos direitos sociais no espaço ibero-americano, em princípio referenciada aos sistemas previdenciários, reforça o sentimento de pertença como cidadão desta Comunidade, o que garante a manutenção de seus direitos nessa área da Previdência Social.

Na esfera ibero-americana, os movimentos migratórios são uma realidade importante na atualidade que sem dúvida tenderá a aumentar no futuro, uma vez que as bases históricas, culturais e idiomáticas comuns ou muito semelhantes facilitam essa mobilidade. É uma tendência que faz parte de um contexto global em que a questão da migração passou a ser colocada em posição preferencial na agenda dos países e no cenário internacional, com iniciativas como a reunião "Migração e Desenvolvimento" que aconteceu em Madri em julho do ano passado, organizado pela SEGIB a pedido da XV Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo, ou pelo fato de a Cúpula XVI ter como eixo central o tema "Migração e desenvolvimento compartilhado".

Do ponto de vista dos direitos sociais, os movimentos migratórios podem aumentar o risco social dos cidadãos, uma vez que o trabalho fora do seu próprio país dificulta, em muitos casos, a manutenção desses direitos. A diversidade de modelos e a falta de coordenação entre sistemas nacionais que impedem computar os períodos cotados em um sistema diferente daquele em que a contingência ocorre, bem como a exigência de contribuições e contribuições por um período mínimo para gerar direitos contributivos (período de carência) ) fazem com que, em muitas ocasiões, o exercício do direito a um benefício não possa ser aperfeiçoado, o que torna a sociedade mais vulnerável às contingências sociais, prejudicando seriamente a coesão social.

Diante dessas situações, na arena internacional, os instrumentos que geralmente são aplicados para evitar a falta de proteção dos trabalhadores migrantes e de suas famílias são os acordos bilaterais e multilaterais. Na Ibero-América, além dos acordos do MERCOSUL e CAN, o número de instrumentos bilaterais existentes chega a quase 20% dos considerados necessários para cobrir toda a região, apesar da falta de homogeneidade na cobertura. mais difícil sua aplicabilidade a partir de uma visão geral.

Essa constatação da necessidade de instrumentos que respondam à proteção social de milhões de pessoas é o fato de estar na base da decisão adotada e ratificada nas reuniões das Conferências de Ministros e das Cúpulas Ibero-Americanas, que se refletiu , muito precisamente, na V Conferência Ibero-Americana de Ministros / Superintendentes de Seguridade Social, realizada em Segóvia (Espanha) em setembro de 2005, na qual os representantes dos 21 países participantes concordaram unanimemente "Iniciar o processo de elaboração de um Acordo Multilateral de Seguridade Social da Comunidade Ibero-americana", "Que, no menor período de tempo possível, permita um único instrumento para coordenar a legislação nacional sobre aposentadorias que, com plena segurança jurídica, garanta os direitos dos trabalhadores migrantes e de suas famílias, protegidos pelos esquemas de segurança. Social dos diferentes Estados ibero-americanos ". Iniciativa recebida e endossada pela XV Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo, realizada em Salamanca em outubro do mesmo ano e ratificada no chamado "Compromisso de Montevidéu" assinado pelos altos executivos ibero-americanos na XVI Cúpula do Uruguai, em novembro de 2006, na seção 25.k), quando, entre tais compromissos, incluiu-se o seguinte: "Adotar as medidas necessárias para a pronta e adequada implementação do Acordo Ibero-americano de Seguridade Social e promover o acordo nesta matéria, com o objetivo de que os migrantes possam usufruir, em seus países de origem, dos benefícios gerados pelo seu trabalho em países destinatários ".

Tal é a origem e base do projeto para a elaboração de um Acordo Multilateral Latino-americano de Seguridade Social que constitui um ponto essencial da XVII Cúpula Ibero-Americana de Chefes de Estado e de Governo, que acontecerá em Santiago de 8 a 10 de novembro e que, nessa ocasião, tem como tema central "Coesão Social e Políticas Sociais para alcançar sociedades mais inclusivas na Ibero-América".

Uma iniciativa em cujo desenvolvimento a Secretaria Geral Ibero-Americana (SEGIB) e a Organização Ibero-Americana de Seguridade Social (OISS) empenham-se em todos os esforços, cumprindo o pedido de apoio formulado pela Conferência de Segovia e com a colaboração efetiva que desejo Aqui gostaríamos de agradecer e destacar aqueles que participaram das Reuniões Técnicas realizadas ao longo deste processo, em Montevidéu, em outubro de 2006, em Santiago, em abril de 2007, e em São Paulo, em junho passado, e na VI Conferência de Ministros em Iquique, em julho de 2007, sem cujas contribuições e sugestões, juntamente com as feitas por escrito aos diferentes projetos tratados e distribuídos, não teria sido possível alcançar o pleno consenso técnico que hoje nos coloca nessa fase do processo.

O texto articulado da Convenção, aprovado pela VI Conferência de Ministros e submetido à Cúpula, leva em conta os princípios básicos que a V Conferência reuniu em seu documento final, ratificado por todos os países da Comunidade Ibero-americana, que se reuniu. em Segovia: igualdade de tratamento, determinação do campo de aplicação pessoal e material, submissão à legislação nacional do país em que a atividade de trabalho ocorre, garantia de direitos no processo de aquisição (possibilidade de totalização de prazos e aplicação do princípio de "prorata temporis"), garantia dos direitos adquiridos (exportação de pensões contributivas), colaboração administrativa e técnica entre instituições, validade dos acordos bilaterais e multilaterais em vigor na medida em que são mais favoráveis, precisam Preparação de um Acordo de Aplicação Administrativa e possibilidade de que, por acordo dos países, o campo material de aplicação possa ser estendido no futuro.

Atualmente, o texto da Convenção encontra-se em fase de elevação à consideração dos Chefes de Estado e de Governo na reunião de Santiago, para que, uma vez obtida sua aprovação, se inicie o processo formal de assinatura e ratificação. do Acordo, de acordo com a legislação interna de cada país e antes dos procedimentos necessários que eles fornecem; e, por outro lado, tratar da elaboração e negociação do Acordo Administrativo para a Aplicação da Convenção, que, em alguns casos, esclarece seu conteúdo e, em outros, estabelece os procedimentos necessários para sua total eficácia no futuro.

Em suma, já estamos na fase decisiva de um projeto ambicioso que, quando atingir sua plena força, beneficiará vários milhões de cidadãos ibero-americanos, facilitará sua mobilidade entre os diferentes países e contribuirá para melhorar a coesão e a inclusão social.

D. Adolfo Jiménez,  Secretario General de la OISS

D. Adolfo Jiménez, Secretário Geral da OISS

Recentes


La OISS y la UAH clausuran la XXVII edición del Máster en Dirección y Gestión de los Sistemas de Seguridad Social

22 de julio de 2024, Madrid, España. El pasado viernes 19 de julio, en el salón de actos del rectorado de la Universidad de Alcalá de Henares, la Organización Iberoamericana de Seguridad Social (OISS) y dicha Universidad llevaron a cabo el acto de clausura de la edición XXVII del Máster de Formación Permanente en Dirección […]


Convocatoria. Curso sobre el “Convenio Multilateral Iberoamericano de Seguridad Social”

Esta actividad es desarrollada por la La Organización Iberoamericana de la Seguridad Social (OISS) con el apoyo de la Agencia Española de Cooperación Internacional para el Desarrollo (AECID). El Convenio Multilateral Iberoamericano de Seguridad Social es el primer instrumento internacional a nivel iberoamericano que protege los derechos de millones de trabajadores migrantes, sus familias y […]


Convocatoria. XI Curso de Formación Superior en Dirección y Gestión de Servicios Sociales para Personas Mayores, en situación de Dependencia y Personas con Discapacidad

La Organización Iberoamericana de Seguridad Social convoca al Curso de formación superior en dirección y gestión de servicios sociales para personas mayores, en situación de dependencia y personas con discapacidad. Los servicios sociales se configuran en la sociedad actual como instrumentos necesarios para facilitar el pleno desarrollo de los individuos y los grupos sociales, previniendo […]


La OISS participa en el IX Encuentro de Empresas Multilatinas

16 de julio de 2024, Madrid, España. Los pasados 10, 11 y 12 de julio, Santander, España, fue sede del IX Encuentro de Empresas Multilatinas. Este evento, co-organizado por la Fundación Iberoamericana Empresarial, la Secretaría General Iberoamericana (SEGIB) y la Secretaría de Estado para Iberoamérica, el Caribe y el Español en el Mundo, reunió a […]


Convocatoria. X Edición del Curso Virtual: Liderazgo en Equidad de Género en Seguridad y Protección Social

La situación real de las mujeres en el mercado laboral no refleja aún los importantes avances formales que se han dado en la región Iberoamericana en la protección de sus derechos. Así, las mayores tasas de inactividad y de desempleo que tienen las mujeres, empleos de baja calidad, temporales, a tiempo parcial e intermitentes, junto […]


Informes sobre «Reformas laborales comparadas y situación económica» (Convenio ANSES)

Se compilan en éste articulo los informes solicitados por convenio vigente (NO-2024-39872974-ANSES-SG-#ANSES) y suscrito con la organización con el objetico de focalizar en las reformas laborales comparadas de la región, así como un estado de situación del panorama económico a fin de establecer interrelaciones entre las reformas posibles y la economía en donde se inserta […]


Informes sobre «Gestión de las relaciones laborales con enfoque en la Agenda 2030 y los Objetivos de Desarrollo Sostenible» (Convenio ANSES)

Se compilan en éste articulo los informes presentados correspondientes al Convenio ANSES 2022-09960130-ANSES-ANSES suscrito con la organización con la finalidad evaluar la gestión de las relaciones laborales en la región mediante un enfoque de derechos basado en la Agenda 2030 y los Objetivos de Desarrollo Sostenible.


Informes sobre el «Impacto del COVID en los sistemas laborales y previsionales de la región» (Convenio ANSES)

Se compilan en éste articulo los informes presentados correspondientes al Convenio ANSES 2021-40127005-ANSES-ANSES suscrito con la organización con la finalidad evaluar los efectos registrados a partir de la irrupción del COVID19 sobre el mercado de trabajo, sobre los lazos comunitarios y la base social, y sobre las perspectivas de desarrollo federal, los riesgos de trabajo […]