Violência de gênero e 5 comentários frequentes que reforçam

Publicado por:

Ana Mohedano Escobar - #NiUnaMenos

Este 25 de novembro é o "Dia Internacional contra a Violência de Género", um flagelo que afeta uma em cada três mulheres em todo o mundo e que, na sua expressão mais trágica, a do feminicídio, deixa 12 mulheres assassinadas todos os dias na região ibero-americana. Acabar com este grave problema social é olhar para a violência sexista como parte de um fenômeno muito mais amplo, a desigualdade que as mulheres sofrem em todas as esferas sociais, econômicas, políticas e culturais, o que gera o terreno ideal para a violência. Essa desigualdade está tão profundamente enraizada em nossa cultura que, às vezes, sem ter consciência disso, fazemos comentários sobre a violência que contribui para perpetuá-la. Abaixo, você encontrará cinco exemplos de comentários que devemos evitar: 1. "O marido era um louco, um criminoso depravado, que matou sua esposa" Nós tendemos a ver os agressores como doentes, como casos raros, como sujeitos depravados e abomináveis, com quem as vítimas tiveram o azar de encontrar-se. Além do que pode haver tais indivíduos entre os agressores, a realidade é que os agressores são o resultado de um sistema discriminador que nós socialmente toleramos. Os movimentos das mulheres os chamam de "filhos saudáveis ​​do patriarcado". E é um sistema que valoriza mais as mulheres pela sua utilidade em relação aos homens (como donas de casa, mães, amantes, musas, etc.) Por seus méritos como seus pares, estabelece as fundações homens que se consideram em uma posição de superioridade, com poderes para julgar o físico ou a capacidade de qualquer mulher, de modo que considerem que devem estar lá para satisfazer suas expectativas. A partir daí, para defender sua posição através da violência (física, psicológica, econômica etc.), há um caminho curto. 2. "A violência de uma mulher contra um homem é o mesmo que vice-versa" Não é. Nem o assassinato de um terrorista é igual a um assassinato, nem a violência entre dois soldados é a mesma entre um soldado e um civil, entre duas crianças entre uma pessoa adulta e uma menor. Nem toda violência é a mesma. No caso da violência de gênero, partimos de diferentes pontos, como mostram as figuras incomparáveis ​​de agressões contra mulheres e homens. A violência de uma mulher contra um homem - por mais séria e lamentável que seja - é o caso. A violência dos homens contra as mulheres, a chamada "violência de gênero", é tão difundida e socialmente tolerada que constitui um problema estrutural, não uma soma de casos isolados e, portanto, deve ser abordada de maneira diferente. Para perceber como é internalizada a violência contra as mulheres em nosso sistema, basta rever as músicas antigo, mais recente e crianças, o programas de televisão ou o publicidade 3. "Quem acontece de andar a noite sozinho!" Toda vez que a notícia de uma nova agressão machista aparece, comentários sobre a vítima e sobre as circunstâncias concretas da ocorrência surgem: Se ela usasse roupas provocantes, se andasse sozinha, se estivesse atrasada, se tivesse tido um relacionamento anterior com seu agressor, se estivesse muito confiante, etc. Nenhuma roupa, nenhuma atitude, nenhum comportamento pode justificar uma agressão. Nem a chamada incapacidade masculina de controlar seus impulsos violentos ou sexuais, que tem sido usada desde o início dos tempos como justificativa para o injustificável. Determinar qual deve ser o caminho certo para se vestir, ou os lugares ou pessoas que você deve frequentar é uma maneira de limitar a liberdade das mulheres, que têm direitos iguais de se vestir, viver e se relacionar como quiserem, sem medo de agressão. Além disso, ao colocar a culpa pelo que aconteceu sobre eles, eles são atacados duas vezes: pelo agressor e pela sociedade, que questiona seu comportamento em vez de questionar o agressor. Nossa única pergunta antes de uma agressão deve ser como podemos ajudar a vítima. Da mesma forma, o trabalho de prevenção da violência é muitas vezes focado em treinar mulheres para agir em face de um ataque, informando-as sobre as áreas e horários que devem evitar. Mas as iniciativas destinadas aos homens para impedir seu comportamento violento ainda são escassas. 4. "Muitas mulheres falsamente acusam de agressão para prejudicar os homens" Claro, existem falsas alegações. Ninguém disse que as mulheres não podem se comportar de maneira grosseira e relatar para obter a custódia de seus filhos ou uma vantagem no local de trabalho, por exemplo. Mas, se olharmos para os dados estatísticos, é uma porcentagem quase anedótica. Na Espanha, por exemplo, apenas 0,0015% das alegações de violência de gênero em 2015 eram falsas, segundo a Procuradoria Geral do Estado. Essa é uma figura ridícula, especialmente se compararmos com a porcentagem de falsas alegações em outras áreas, como reclamações de roubo com violência que são falsas em 60%. Portanto, em face de casos alarmantes de mulheres sendo esfaqueadas, espancadas, queimadas vivas, empaladas ou desmembradas, nós nos referimos a falsas acusações como um argumento para limitar a veracidade dos testemunhos das vítimas, parece fora de lugar e serve apenas para Reforçar o comportamento dos agressores. 5. "As mulheres dizem" não "quando querem dizer" sim ". Faz parte do jogo " "Não" significa não. Sempre Em qualquer circunstância. Se você tiver dúvidas, pergunte. Se a resposta for negativa, é duvidosa, ou não pode ocorrer devido a álcool, drogas, etc. Também é "não". E é igualmente válido se for dado por uma mulher que é pouco conhecida, a esposa ou a jovem mulher com quem conversamos por seis horas em um bar. Nenhuma mulher precisa de um homem para fazê-la perceber o que ela realmente quer. Ele é capaz de valorizá-lo por si mesmo. E nem um negativo pode justificar desencadear uma resposta agressiva ("Quem ele pensa que é?", "Ele está rindo de mim", etc.) que só tenta encobrir com violência a insegurança do agressor.

Recentes


Situación del COVID-19 en América Latina (Hasta el 20 de octubre)

23 de octubre de 2020, Madrid, España.


Lineamientos generales para servicios de alimentación al público debido a la alerta sanitaria por Coronavirus (COVID-19)

22 de octubre de 2020, San José, Costa Rica.


COVID-19: Medidas de Prevención en Obras. Para evitar contagio y la propagación del coronavirus en obras.

22 de octubre de 2020, Organización Panamericana de la Salud.


Guía de Actuación ante COVID-19 (Secretaría de Salud)

22 de octubre de 2020, Honduras.


Instrucciones de la Circular N°3.532, de 4 de septiembre de 2020, de este origen, relativa a los trabajadores que desempeñan trabajo a distancia o teletrabajo

22 de octubre de 2020, Santiago, Chile.


En la sede de la OISS se desarrolla el Coloquio sobre El Futuro Laborar de las Personas Jóvenes

20 de octubre de 2020, Madrid, España. En la sede de la Organización Iberoamericana de Seguridad Social (OISS) en Madrid, el pasado martes 20 de octubre, se desarrolló el Coloquio: ‘El Futuro Laborar de las Personas Jóvenes’, convocado conjuntamente por la Comisión Joven de Mujeres Avenir, la Organización Internacional de la Juventud para Iberoamérica (OIJ) y la […]


Desarrollo del Seminario Web: Presentaciones de Redes Nacionales de la RIEI

15 de octubre de 2020, Madrid, España. La Organización Iberoamericana de Seguridad Social (OISS) y la Red Iberoamericana de Empresas Inclusivas (RIEI), el pasado jueves 15 de octubre, llevaron a cabo el Seminario Web: ‘Presentaciones de Redes Nacionales de la RIEI).  El evento fue instalado y moderado por la vicesecretaria general de la OISS, Ana Mohedano Escobar, participaron como panelistas, […]


Convocatoria: Para la elaboración de un análisis “Apuntes sobre sistemas de renta básica en los países iberoamericanos”

19 de octubre de 2020, Madrid, España.