Quantcast

 Mensagem do Secretário Geral

No dia 25 de novembro, é comemorado o Dia Internacional contra a Violência contra a Mulher, um chamado à atenção para esse flagelo que afeta 51% da população ibero-americana, o grupo mais numeroso e discriminado.

A violência é uma das manifestações da desigualdade entre homens e mulheres em nossa sociedade, por isso assume muitas formas, sendo o feminicídio o mais grave e visível com uma média assustadora de 12 mulheres assassinadas na região todos os dias por causa do fato ser mulher

Mas existem formas muito diferentes de violência, todas baseadas na cultura generalizada que discrimina as mulheres. Abusos físicos e psicológicos - insultos, ameaças, controle de suas relações com outras pessoas e suas roupas, chantagem emocional, etc. - bem como estupro, abuso sexual, assédio em espaços públicos e Ambientes de trabalho, entre outros, são realidades que fundamentam os femicídios e que infelizmente são comuns na região.

Essa violência afeta não só as mulheres, mas tem impacto sobre o meio ambiente - crianças, família, ambiente de trabalho etc. - e afeta toda a sociedade, estimando seu impacto no PIB entre 1% e 3,7%, dependendo do país.

Para a comemoração de 2017, a ONU mantém sua campanha "Pintar o mundo de laranja" e adotou o slogan "Que ninguém seja deixado para trás: acabe com a violência contra mulheres e meninas" para nos conscientizar da responsabilidade que compartilhamos na eliminação deste flagelo. As instituições de proteção social também têm um papel importante nesse desafio que não podemos esquecer.

Por um lado, a rede de serviços sociais pode oferecer apoio às mulheres que sofrem violência - ajuda monetária, acomodação, alimentação, etc. - para que elas tenham o mínimo de recursos para sobreviver se deixarem uma relação de abuso, bem como aconselhamento jurídico. trabalho, psicológico, etc. Os benefícios previdenciários também podem ser uma importante ferramenta de apoio às mulheres, oferecendo-lhes, por exemplo, a possibilidade de suspender seu contrato de trabalho em caso de situação de violência de gênero - em situação semelhante à alta e mantendo suas contribuições. - ampliando as pensões para órfãos de filhas de vítimas de violência de gênero ou eliminando a possibilidade de homens femicídios condenados terem acesso a pensão de viúva, entre outras medidas possíveis.

Como as Nações Unidas nos lembram, só poderemos acabar com a violência contra mulheres e meninas se conseguirmos o envolvimento de todos os setores de nossa sociedade e instituições de proteção social - visando o bem-estar dos cidadãos - não podemos esquecer a realidade inadmissível que as mulheres sofrem. mulheres e isso afeta a todos nós.

Compartilhe nas redes sociais!

Organização Ibero-americana de Seguridade Social. Todos os direitos reservados.

HOME BLOG AVISO LEGAL

Desenvolvido por Tecnologias Tible.