Economia da saúde: realidades e novos desafios.

Publicado por:

Por: Adolfo Jiménez Reguillo

 A realização da primeira edição do Curso de Economia da Saúde, organizado pela OISS e pela AECID em Antigua Guatemala, é uma excelente oportunidade para avaliar a relevância de uma iniciativa com essas características, seu valor e relevância, além de questões extraordinárias. atualmente neste campo de economia aplicada. Neste post, tentarei fazer uma visão geral do estado do assunto e das principais questões e pontos de vista (político, econômico, acadêmico, gerencial) a serem considerados em um assunto de tamanha complexidade, já que o objetivo Este programa é consolidado com a inclusão de todos os vértices para fornecer utilidade aos profissionais e instituições da América Latina.

É evidente que a situação das finanças públicas é o cenário de linha de base generalizada que deve ser levado em conta ao abordar a necessidade de tomar decisões econômicas, uma vez que os sistemas de saúde comprometem entre 6 e 11% do produto. Gross Interior, dependendo do país em questão. Além disso, se o objetivo das políticas econômicas públicas em saúde é maximizar o nível de bem-estar da população com base em recursos limitados que vêm de receitas públicas (contribuições sociais e impostos, fundamentalmente) a necessidade de fazer "economia" "É urgente, para evitar cair no" economicismo ".

Nesse sentido, consideramos uma visão em sentido amplo que contempla a importância dos sistemas de saúde como elemento de promoção da saúde, disseminação de hábitos de vida e, ao mesmo tempo, instrumentos de cuidado e recuperação da doença. dos pacientes. E, para os agentes públicos responsáveis pelas políticas de saúde e saúde, é de vital importância compartilhar experiências e boas práticas em gestão e prestação de serviços realizados por cada país, bem como seus modelos de organização comparativa, incentivando o enriquecimento de seus sistemas através da troca de experiências, incluindo a promoção de iniciativas conjuntas ou globais.

Atualmente, existem problemas, em sua maioria comuns, que estão realmente afetando a pressão que os sistemas de saúde devem suportar: demografia, migrações, assim como todos aqueles relacionados aos chamados fatores determinantes que afetam a demanda por cuidados de saúde. , levando à exigência de políticas abrangentes que vão desde a promoção de hábitos de vida, à melhoria das condições de vida e habitabilidade.

Consequentemente, os sistemas são obrigados a abordar questões como o custo dos cuidados de saúde, a eficácia dos programas públicos, a análise da eficiência das políticas e programas de saúde, os benefícios da investigação neste campo como externalidades positivas, a avaliação custo-benefício das tecnologias em saúde, a organização e divisão dos sistemas de seguro (incluindo o público), a participação (dependendo da configuração de cada país) dos provedores privados de serviços de saúde ou a introdução de incentivos à saúde no população em geral e os provedores de saúde dos sistemas públicos, em particular.

Ao mesmo tempo, isso nos leva a melhorar os mecanismos do sistema: gestão de recursos humanos, profissionais e gestores que têm um papel tão importante no sistema, os mecanismos e instrumentos de contratação, negociação de aquisições, produtos farmacêuticos, a digitalização de cuidados de saúde e história médica. E, no que diz respeito ao bom funcionamento das instituições e da gestão orçamental, tudo o que tem a ver com governação, boa governação e sistemas de controlo.

Quero fazer expressamente neste post uma menção específica à equidade dos sistemas de saúde. Equidade é uma questão que também surge no campo da economia e da gestão de recursos públicos (consideram os fazedores e estudiosos do setor público nas economias modernas), se considerarmos uma visão moderna do papel do Estado. nas economias social, aberta e de mercado, que devem combinar eficácia, eficiência e equidade.

Na saúde, tem dois aspectos. O primeiro, no acesso a cuidados de saúde e programas que, em muitos casos, podem ser afetados por questões como sexo, distribuição regional, etc .... A segunda dimensão é a eqüidade na "relação de contribuição" para garantir um nível de progressividade que incorpore critérios de justiça social e redistribuição de renda, uma questão cuja tradução econômica requer tratamento especial em co-pagamentos ou co-financiamento pelos usuários.

Em suma, todas essas questões são enormemente atuais, atuais e, o que é mais importante, em suas várias formas, comuns às realidades dos sistemas de saúde dos diferentes países da área. E, por isso, são elementos a serem desenvolvidos futuramente em futuras edições deste Curso de Economia da Saúde e, ao mesmo tempo, são aspectos necessários para tecer uma rede de especialistas que põe em contato os profissionais e instituições da área, com foco numa realidade e num problema que, juntos, vamos analisar, conhecer e abordar com mais recursos e experiências.

Recentes


Anexo V. Propuesta de Protocolo acoso – OISS 2019

9 de octubre de 2019, Asunción, Paraguay


Anexo IV. Proyecto de Presupuesto 2020 – 2021

9 de octubre de 2019, Asunción, Paraguay


Anexo III. Informe – Avance – Ejecución 2018 – 2019

9 de octubre de 2019, Asunción, Paraguay


Anexo II. Informe – Ejecución 2017

9 de octubre de 2019, Asunción, Paraguay


Anexo I. Memoria de la Secretaria General

9 de octubre de 2019, Asunción, Paraguay


Acta Comisión Directiva (Asunción, Paraguay 2019)

9 de octubre de 2019, Asunción, Paraguay


Anexo IX. Propuesta de Protocolo acoso – OISS (2019)

8 de octubre de 2019, Asunción, Paraguay


Anexo VIII. Proyecto de Presupuesto 2020 – 2021

8 de octubre de 2019, Asunción, Paraguay